Cacilda
 

O Caderno Rosa de Lori Lamby - Leitura Dramática

Texto Hilda Hilst

Direção Bete Coelho

Atriz Iara Jamra

Teatro do Centro da Terra - SP

Hoje às 18h

Escrito por Lenise Pinheiro às 15h55

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

As Troianas

Vozes da Guerra

Direção Zé Henrique de Paula


Direção Musical e Preparação Vocal Fernanda Maia


Atrizes Inês Aranha, Kelly Klein, Norma Gabriel,


Ci Teixeira, Bibi Jaguaribe, Claudia Miranda,

Karin Ogazon, Marcella Piccin e Patrícia Vieira

Atores João Pedro de Almeida Teixeira, Alexandre Meirelles,

Fábio Redkowicz e André Darlan

Iluminação Fran Barros

SESC Paulista - SP

Sextas, Sábados e Domingos às 20h

Escrito por Lenise Pinheiro às 17h41

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

7, o musical

Das muitas produções de Charles Möeller e Cláudio Botelho em São Paulo, nesta temporada, "7, o musical" foi a maior aposta, como criação.

A dupla respondia à eterna proclamação de que o teatro musical só vai confirmar todo o seu potencial, no Brasil, quando se reintegrar à grande força de cultura popular que é a canção ou a Música Popular Brasileira, como se dizia em outros tempos.

Möeller & Botelho foram buscar em Ed Motta, parcialmente ao menos, a ponte tão sonhada pelos partidários do musical desde, nas minhas contas, o Wolf Maya de "Blue Jeans".

Premiado e com longa temporada no Rio, ainda assim o espetáculo só veio para São Paulo bancado pela própria produção, como manifestou do palco a emocionada protagonista, no final da penúltima apresentação.

Mas também aí deu sinal de que o teatro musical se aproxima da maioridade. Com algum estímulo estatal, ocupou o teatro estadual mais apropriado para o gênero, o Sérgio Cardoso de quase 900 lugares, no coração do "distrito teatral".

E naquela penúltima apresentação ele estava lotado, com um público de maior diversidade, não o que paga os altos preços cobrados por salas como Abril e Alfa, para versões da Broadway.

Parecia sonho tornado realidade. Depois do Municipal para ópera, do São Pedro para opereta, a cidade ganha um grande teatro estatal para o teatro musical brasileiro.

E com um espetáculo que retoma o laço com a música popular, histórico, mas rompido depois dos últimos esforços de Chico Buarque. (Perdi e lamento sem parar, mas outra produção de retomada foi "Besouro Cordão de Ouro", de Paulo César Pinheiro e João das Neves, no Sesc Pompéia.)

A encenação em si confirmou a esperança. "7" mostrou exuberância e uma perfeição já identificadas com Möeller & Botelho. Os quadros são bem desenvolvidos, a protagonista Alessandra Maestrini é um achado a explorar mais e mais.

Zezé Motta, mais que uma homenagem histórica, ela que estreou na "Roda Viva" de Chico Buarque e Zé Celso, ilumina as melhores cenas, não só cantando, mas atuando com ironia, distanciamento, felicidade em cena.

Como se dizia _e ainda se ouve, de vez em quando_ sobre o cinema brasileiro, também aqui o enredo é um problema, com as referências se sobrepondo e com o conflito motor perdido ao longo da apresentação, como na neblina da cena.

O laço com a música brasileira poderia ser mais evidenciado, formalmente, mas esta é a opção da dupla, ao menos segundo o programa do espetáculo. (Seguem faltando, registre-se, as biografias do elenco e da equipe de criação, tão necessárias aos fãs do gênero.)

De Möeller & Botelho, sob o título "Teatro Musical Brasileiro":

_ Existe? É possível chegar a ele sem ufanismo e/ou saudosismo? Sem a necessária obrigação de colocar o samba no palco? A mulata em cena? O jeitinho brasileiro sob o refletor? São tantos os compromissos e tantas as questões... Estamos procurando algo menos ambicioso. Apenas teatro musical, sem passaporte ou nacionalidade carimbada. Se é nosso, há de ser como nós e universal talvez, como gostaríamos... Desde que Chico Buarque, Edu Lobo, Francis Hime e outros grandes se afastaram da cena teatral, pouquíssimos compositores se interessaram pelo teatro musical. Ed Motta, de carreira expressiva na música popular, veio fazer teatro. Apostou conosco neste cavalo improvável: um musical sem canções famosas, hits do passado, biografias de ídolos da MPB... Levamos nossa história para um Rio de conto de fada, onde faz frio nas ruas e nas almas, onde há mais noite do que dia, onde cartomantes são bruxas e princesas são suburbanas infelizes.

Escrito por Nelson de Sá às 00h04

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Iluminação de Serviço

Nos bastidores do Teatro Célia Helena

Projeto Ruy Ohtake

Duas atrizes , um tablado e muitas paixões.

Julia Lemmertz e  Ligia Cortez

Ensaio fotográfico para celebrar Maria Stuart

Direção Antonio Gilberto

Teatro Célia Helena - SP

Escrito por Lenise Pinheiro às 12h48

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Lenise PinheiroO blog Cacilda é coordenado por Nelson de Sá, articulista da Folha, e pela repórter-fotográfica Lenise Pinheiro.

SITES RELACIONADOS

RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. ɉ proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.