Cacilda
 

Honey

Texto Shelagh Delaney

Direção Fernanda D'Umbra

Atores Fernanda Gama, Francisco Eldo Mendes, João Fábio Cabral,

José Trassi e Lavínia Pannunzio

Músicos Caio Areias, Rubens K e Wagner Antunes

Cenário Leopoldo Ponce

Iluminação Marcelo Montenegro

Figurinos Ofélia Lott

Teatro Cultura Inglesa Pinheiros - SP

Sexta e Sábado 21h Domingo 16h

Escrito por Lenise Pinheiro às 10h27

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Quem não sabe mais quem é, o que é e onde está, precisa se mexer

Dramaturgia Cia. São Jorge de Variedades

Direção Georgette Fadel

Atores Marcelo Reis, Mariana Senne e Patrícia Gifford

Casa de São Jorge - SP

Quartas, Quintas e Sextas 12h

Escrito por Lenise Pinheiro às 15h36

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O tempo e o cão

A falta de perspectivas, sociais ou individuais, leva a adotar uma visão fatalista diante do conflito. O melancólico vê-se desajustado, excluído das crenças que sustentam a vida social de seu tempo, abatido pelo sentimento da inutilidade de suas ações...

É Maria Rita Kehl, em "O tempo e o cão", seu livro sobre a atualidade das depressões, na Boitempo.

Ainda leio, mas já me parece o retrato mais acabado do espírito do tempo, aqui e agora. Sintomaticamente, faz com que volte a pensar em Shakespeare, SK.

A escutar Sarah. A rádio BBC tirou do ar, mas ouvem-se passagens ao entrar no blog do meu doce príncipe. Ela fala do fracasso da crítica teatral. E de quando não se percebe mais a diferença entre você mesmo e uma mesa; quando se perde, sem volta, a realidade do corpo.

Mais Maria Rita, com Winnicott.

A incapacidade de fantasiar lança em uma atitude fatalista. Tomar o mundo "como ele é", como expressão do real, é ilusão fatalista à qual se associa facilmente o cinismo. Mas "o mundo tal como ele é" também é uma versão imaginária das coisas...

A fantasia amplia o campo dos possíveis. A sensação de que "a vida é digna de ser vivida" é consequência da capacidade de criar.

Na falta dela, desenvolve-se a "submissão à realidade". Muitos experimentaram suficientemente o viver criativo para reconhecer, de maneira tantalizante, a forma não criativa pela qual estão vivendo, presos à criatividade de outrem ou de uma máquina...

Escrito por Nelson de Sá às 01h54

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Lenise PinheiroO blog Cacilda é coordenado por Nelson de Sá, articulista da Folha, e pela repórter-fotográfica Lenise Pinheiro.

SITES RELACIONADOS

RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. ɉ proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.