Cacilda
 

Atrizes ungidas de luz

Boas vibrações nos palcos. Picadeiros da nossa ilusão.

Onde no desfile das urgências da vida. Perdemos o contato

com o sublime e o inatingível. O impossível nem sempre está

fora de nosso alcance. Basta acreditar que podemos.

O trabalho de 3 atrizes, Ana, Elisa e Beatriz. Goela abaixo.

Comove, coagula e chacoalha.

Ana Kfouri no Teatro Municipal do Jockey, Rio, sáb. e dom.

às 18h30.

O Animal do Tempo, de Valère Novarina.

Direção, Antonio Guedes.

Elisa Ohtake, do jardim até o quintal.

Está em cartaz no MIS SP.

Sáb. e dom. às 21h. Precisa confirmar.

Danças crucificadas nos altares da arte.

Bia Toledo no Teatro Crowne Plaza, sáb. 21h e dom. 20h,

Direção, Inês Aranha.

MERDA!!!

Escrito por Lenise Pinheiro às 10h49

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Febre

Espetáculo escrito e dirigido pelo ator Marcos Azevedo.

Em cartaz no Espaço Gag, rua Tito, nº 79.

Montagem do Núcleo Dramax.

Projeções e recursos multimídia.

A atriz Roberta Youssef.

E a força do elenco: Fernanda Franceschetto,

Renata Fasanella, Bianca  Bertolaccini, Diego Ruiz e

Sidney Favini.

Escrito por Lenise Pinheiro às 13h04

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Roda da fortuna

“Sois o que fazeis, isso sois, nada mais.” As palavras de Antonio Vieira no Sermão da Terceira do Advento, citadas por Antonio Risério lá pela metade de sua extensa “História da Cidade da Bahia”, que leio agora, não saem da cabeça há três dias. É que fazer-ou-não-fazer é pergunta que ecoa faz tempo, mas de algumas semanas para cá andei com a oportunidade de fazer, ainda que por quinze minutos, à mão.

Desde que Ivam Cabral chamou, entre centenas, para as Satyrianas _e Sérgio Salvia Coelho convidou para dividir com ele e Alberto Guzik o palco, na cena que Gerald Thomas criou, sobre críticos de teatro. Gerald voltou a ligar anteontem, desde Córdoba, na Argentina, onde encenou com a repercussão de sempre, pelo talento de sempre.

Mas saltei para trás. Antes, com o Sérgio, tomando vinho no aniversário de Marcelo Drummond, a desculpa foi que o personagem do crítico não é mais parte de mim, mas a verdade é que o pânico de palco, “stage fright”, só fez aumentar com a minha mais recente tentativa. E agora, para o Gerald, a desculpa foi o adiantado da hora, já é semana que vem.

 

E na verdade bem que tentei agir. Semanas atrás, falei com Denise Assunção sobre encenar a Vidente de “Tutankaton”, a peça de Otavio Frias Filho que marcou naquela eclosão de dramaturgia do início dos anos 90. É o personagem que alerta que “tudo já existiu alguma vez”, que “uma geração substitui a outra, o sol se levanta, o sol se põe mais uma vez”, num texto que questiona a própria idéia do novo, da revolução.

 

Denise, uma das maiores atrizes que conheço, se animou, falou até em vir a São Paulo, ela que vive hoje em Tietê. Mas, de novo, saltei. Desta vez nem desculpa apresentei, sumi nos livros, só para encontrar as palavras de Antonio Vieira.

 

Quando a roda começa a subir não tem jeito, você é levado. E um grupo no Yahoo de ex-colegas de faculdade, de uma hora para a outra, se reativou a partir da mensagem de uma amiga que vive hoje em Boston. Gladys vem e, com Laila, Laert Sarrumor, até Hugo Possolo, eles decidiram que vão se encontrar todos na praça Roosevelt, nas Satyrianas. E eu vou, se não para fazer, para ver. É a partir de quinta que vem.

 

PS, 6.10 - Poucas horas depois de postar, Aury Porto ligou dizendo que queria apresentar na mesma praça Roosevelt o “Minimanual do Guerrilheiro Urbano”, um projeto que carrego há bem uns três anos, e se eu não queria fazer. Não, eu vou ver.

Escrito por Nelson de Sá às 09h59

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Alex Gruli, Luciano Gatti e Melissa Vetori

São as estrelas de

Últimas Notícias de uma História Só.

Dirigidos por Otavio Martins.

Estréiam no Satyros 2 neste final de semana.

Hoje, antes do ensaio aberto, ensaio fotográfico e prova de figurino.

Alex Gruli mostra o corpinho de Miss.

A figurinista Juliana Araripe.

O teatro vivo nestes tempos de cópula e cólera.

Escrito por Lenise Pinheiro às 16h11

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Lenise PinheiroO blog Cacilda é coordenado por Nelson de Sá, articulista da Folha, e pela repórter-fotográfica Lenise Pinheiro.

SITES RELACIONADOS

RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. ɉ proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.