Cacilda
 

Santidade

No dia 10 de maio estréia "Santidade". Texto do José Vicente.

Dirigido pelo Marcelo Drummond. Ele é muito amoroso.

No Teat(r)o  Oficina

o Marcelo já dirigiu os atores Fransérgio Araújo (esq.)

e Haroldo Ferrari em "O Assalto", do mesmo autor.

E a novidade é o Zé Celso como ator no papel de Ivo.

Um estilista cheio de modismos.

A Iluminação é responsabilidade da Irene Selka

e dos "Marcelos" Drummond e Comparini.

Vi um pouco do ensaio de ontem.

O Fransérgio é o Nicolau, um aspirante a sacerdote.

E o Haroldo é Artur.

É muito trabalho.

Pelo visto a inspiração vem dos livros.

E a magia da encenação é o Zé.

Os figurinos do Alexandre Herchcovitch ainda não chegaram.

Devo fazer mais fotos na seqüência.

Até já.

Escrito por Lenise Pinheiro às 12h07

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mente insana, corpo são

Hoje às cinco da tarde Grace Gianoukas, Roberto Camargo, Agnes Zuliani, Guilherme Uzeda e Marco Luque, da Terça Insana, se encontram para um ritual que há 50 anos era celebrado por Mel Brooks, Neil Simon, Woody Allen, Carl Reiner e Larry Gelbart, da lendária trupe de Sid Caesar.

 

Começa a preparação dos textos para a nova Terça Insana, “Mente Insana, Corpo São” é o mote anunciado, com estréia em pleno 1º de maio, para todo o mês. Nem eles sabem ao certo o que vão apresentar. Começa hoje o embate.

 

Não sei se repetem as brigas igualmente lendárias dos gênios do humor americano, parece que não, mas o resultado não fica atrás, pelo que vi em velhas imagens de Caesar e nas visitas à Terça Insana _a última ontem à noite, sempre no Avenida.

 

Grace como advogada do diabo viveu mais uma noite de nonsense extremista, para delírio de quem tenta seguir sua avalanche cômica e crítica. De Pedro Bial a Deus, neste mês de esquetes voltados ao showbiz, ninguém escapou ileso.

 

Mas é de Agnes Zuliani que eu quero falar. Ela fez duas cenas, de um assessor de celebridades e de uma varredora de rua que recicla a indústria cultural. No final, para os aplausos, Grace comandou uma saudação à Agnes mestra do stand-up, professora de tantos que se espalham por São Paulo em febre de público só comparável à dos musicais.

 

Foi nos anos 80, talvez até antes, que eu vi Agnes pela primeira vez no palco, com o grupo de teatro da UEE. Ela já era então engajada e engraçada. Continuava anos depois, quando moramos no mesmo prédio em Nova York, ela estudante no Lee Strasberg e garçonete no Village, para pagar as contas. E depois, início dos 90, num marcante _e já próximo da linguagem do Terça Insana_ “Tudo de Novo no Front”, de Aimar Labaki, num clube da Pamplona.

 

Andou por um bom tempo pelo drama, do embate glorioso com Maria Alice Vergueiro em “No Alvo”, de Thomas Bernhard, ao monólogo “Emma Goldman: Amor, Anarquia e Outros Casos”, ano passado nos Satyros.

 

Agora está ao lado de Grace em São Paulo e pelo país, disseminando a febre que a Terça Insana lançou e que se espalha por Rio, Curitiba, toda parte. Agnes vai como uma sacerdotisa do stand-up, à imagem e semelhança da Gilda Radner que tanto ama.

 

Um de seus ensinamentos sobre stand-up é que o comediante, antes de mais nada, critica a si mesmo. Ela quebrou ao menos uma vez a regra, na cena que preparou para o lançamento de meu livro sobre teatro, com fotos da Lenise, dez anos atrás. Acabou comigo _e eu nunca ri tanto.

Escrito por Nelson de Sá às 10h06

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Happy birthday, dear William"

Dia de Shakespeare. Com Zé e Marcelo Drummond, tempos atrás, eu cometi, como alguém descreveu depois, uma tradução para "Hamlet" e encontrei meu personagem no teatro, Horácio.

Para comemorar, o blog do "Guardian", o favorito por lá, fez um podcast com o editor do novo First Folio, que foi a primeira edição das peças, baseada na memória dos atores. E o site do "Times", segundo favorito, postou quiz para quem quiser testar seus conhecimentos do bardo.

ps - o "NY Times" também deu uma bela resenha do First Folio, o Shakespeare "dos atores".

Escrito por Nelson de Sá às 14h30

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Salve Jorge

Hoje é dia de São Jorge.

 

E de William Shakespeare, para comemorar...

Segue um trecho de Fernando Pessoa que

a atriz Claudia Campos me mandou.


"O MEU OLHAR é nítido como um girassol.

Tenho o costume de andar pelas estradas

Olhando para a direita e para a esquerda,

E de vez em quando olhando para trás...

E o que vejo a cada momento

É aquilo que nunca antes eu tinha visto,

E eu sei dar por isso muito bem...

Sei ter o pasmo essencial

Que tem uma criança se, ao nascer,

Reparasse que nascera deveras...

Sinto-me nascido a cada momento

Para a eterna novidade do Mundo"...

Fernando Pessoa, "O Guardador de Rebanhos" (1911-1912)

Escrito por Lenise Pinheiro às 10h52

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Porto Alegre, janeiro de 1962, 19 anos

Pouco mais de dois anos atrás, fiz uma longa entrevista por e-mail com o hoje governador José Serra, para um texto sobre política e arte. As respostas que deu me deixaram pasmo. Ajudam a entender por que está sempre na Roosevelt, nos Satyros, e por que ele escolheu secretários como Carlos Augusto Calil e agora João Sayad.   É um raro político que estima e, de fato, viveu o teatro, a arte.

Separei três passagens, que seguem abaixo, pela primeira vez.

Por favor, faça um relato da experiência como protagonista da montagem universitária de "Vento forte". Você ainda recorda algum trecho da peça? E o enredo? Por favor, descreva como foi o primeiro contato com a platéia: A tensão foi grande? Chegou a estudar Stanislavski ou Brecht? Como foram os ensaios?

Para mim representou uma experiência fascinante. Até hoje é bom lembrar. Sempre me volta aquela sensação agradável da época. "Vento forte pra papagaio subir" era o nome da peça, de autoria do Zé Celso. O personagem principal era um rapaz, numa pequena cidade do interior: a mãe doente e possessiva (só a voz), a namorada, a irmã que sustentava a casa e o melhor amigo. Ele louco para ir embora, vir para São Paulo, que é o que faz no final, depois de uma tempestade com ventania forte. Embora a cidade não fosse mencionada, para nós era Araraquara, terra do autor. E o personagem reunia algo da história do próprio Zé. A tensão não foi tão grande diante da platéia, embora a peça abrisse comigo sozinho no palco, como num sonho, ouvindo a canção, repentinamente interrompida por uma tempestade. Teatro não é como política. Você não encara o público, a platéia está escura e você representa um personagem que não é. É mais fácil, por incrível que pareça. Eu não conseguiria, na política, interpretar um personagem, mesmo que se tratasse de interpretar a mim mesmo.

A apresentação foi feita no festival de teatro da juventude organizado pelo Paschoal Carlos Magno, ele um grande personagem, com notável bom gosto para o teatro e uma extraordinária capacidade de organização. Foi em Porto Alegre, janeiro de 1962. Eu tinha 19 anos.

Fiz também uma apresentação na TV de  “Amor à prova dos nove”, do Millôr, e, num auditório enorme, do monólogo do “Orfeu”, do Vinícius.

Fomos de ônibus para Porto Alegre, junto com gente de São Paulo, inclusive a Regina Duarte, acompanhada pela mãe. Era uma gracinha, bem menininha, tímida, e ganhou um prêmio, com o “Auto da Compadecida”. Do festival, participavam o Plínio Marcos, o Sérgio Mamberti, a Dina Sfat. Ela foi integrando o elenco da engenharia do Mackenzie –como não tinha mulheres, arranjaram a Dina, que, salvo engano, era funcionária do centro acadêmico ou algo assim. Creio que o Sérgio também não estudava engenharia, mas estava com o grupo, que levou “Os fuzis da mãe Carrar”, do Brecht. A atriz principal, a mãe, era a Iara (que morreu naquele naufrágio do Bateau Mouche). Na montagem, eles cantavam hinos dos republicanos espanhóis, que aprendi e lembro até hoje. Na Poli também não tinha mulheres (só duas alunas) e incorporávamos mulheres de outras faculdades, mais uma das secretárias do grêmio, Ana Maria, aliás, ótima atriz.

Cheguei a estudar Stanislavski, de forma irregular, num seminário do Kusnet. E nos ensaios ele era o “método” adotado. Em diferentes ensaios, nos concentrávamos em diferentes aspectos da personalidade e das relações do meu personagem. Cada dia um. O texto não mudava, mas mudavam a personalidade e as relações, cada vez concentradas numa possibilidade. Uma neurose, mas criativa.

Por favor, faça um breve relato da experiência com os jograis, sob a direção de Fauzi Arap. Augusto Boal viu uma das apresentações: A presença causou tensão em você e nos demais atores? Como era a relação do grupo de teatro da faculdade com o CPC? Foi o teatro universitário que o aproximou do movimento estudantil? O teatro o ajudou de alguma maneira a atingir desenvoltura em oratória?

Os Jograis eram ótimos, a melhor coisa que me aconteceu na faculdade. Era gostoso, bem-humorado, textos ótimos, poesias lindas. Eu aprendi poesia assim. Aliás, para mim, sentir uma poesia implica ler em voz alta. Só assim é possível senti-la, compreendê-la. Só assim não fica trivial. Eu achava o Fauzi um gênio, meio estranho (para começar, porque ele estudava engenharia), a generosidade artística encarnada, um apóstolo, extraordinário imitador de atores e atrizes (por exemplo, na impostação da Cacilda Becker, era imbatível). Conheci o Boal nessa época (não ele a mim, certamente). (não me lembro de ele ter assistido aos jograis)

Não foi o teatro que me aproximou do movimento estudantil, mas este, a política, que me afastou do teatro, a partir de minha eleição para a presidência da UEE, no final de 1962. Mas lá organizamos o CPC, e o Fauzi fez uma montagem extraordinária de uma peça escrita por ele mesmo junto com estudantes do CPC, que era uma espécie de versão paulista do “Auto dos 99 por cento” da UNE (não sei quem tem o texto). Mas eu não era ator mais. Viajávamos para o interior, com a UEE Volante, apresentávamos a peça, dança, poesias, e depois fechávamos com um comício pelas reformas. Só aí eu discursava. Creio que a experiência dos jograis e do teatro ajudou a melhorar a impostação da voz.

Algumas perguntas mais pessoais (se achar invasivas, por favor, não se sinta obrigado a responder). Sua mulher foi bailarina: Você gosta de dança? Você a conheceu no palco, no Chile? Que coreografias viu?

Eu tenho paixão por ballet, adorava o jeito de caminhar, a postura, das bailarinas. Conheci minha mulher numa festa de aniversário de uma amiga comum e, quando vi que era bailarina, me aproximei mais. “Carmina Burana” (ela fazia a deusa Fortuna, entre outros papéis na mesma coreografia), “A Mesa Verde”, a mais maravilhosa peça artística antibélica a que já assisti, “O Pássaro de Fogo”, “Despertar da Primavera”, “Lago dos Cisnes”, “Catalise”...

Escrito por Nelson de Sá às 20h33

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Lenise PinheiroO blog Cacilda é coordenado por Nelson de Sá, articulista da Folha, e pela repórter-fotográfica Lenise Pinheiro.

SITES RELACIONADOS

RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. ɉ proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.